Liderança e sintonia, a gente não vê por aí!

maestroHá algum tempo alguns amigos me pedem para escrever um artigo sobre liderança em Startups, creio que esse seja um ótimo tópico para abordar em um artigo logo no início do ano.

Muitos desejam dar início a seus projetos, pois essa foi a promessa para uma nova vida, mas será que estamos preparados psicologicamente para assumirmos tamanha responsabilidade?

Estamos preparados para sermos rejeitados?

E para mim os dois pontos mais importantes:

Estamos preparados para liderar e fazer com que o time esteja em sintonia?

Convenhamos você que já participa de alguma forma do ecossistema empreendedor, seja em palestras, oficinas ou eventos em geral dá para perceber de cara que o mais difícil não é ter uma ideia ou tirá-la do papel e conseguir os primeiros clientes, conseguindo até depois de um tempo pequenos aportes que variam de 50 a 300 mil, somos do meio, sabemos que isso é possível.

Claro, de modo geral para as pessoas que não são do ecossistema isso pode soar estranho e se ela ler esse artigo vai pensar que estou louco.

Como assim, é fácil ter ideia e tirá-la do papel?

Sim, pequeno gafanhoto e o que pode parecer mais estranho, é mais fácil ainda fazer dinheiro com sua ideia, seja captando pequenos aportes ou com seus primeiros clientes.

Precisa de parceiros estratégicos?

Isso é mais fácil ainda, grandes empresas vão te ajudar ao máximo para sua empresa der certo, pois se a ideia é boa e vingar eles são seus parceiros e irão se beneficiar de alguma forma, ou então nem te ajudariam.

Lembre-se não estou dizendo que é fácil para qualquer pessoa, pois estou levando em consideração que você já empreendeu e já fracassou, sendo assim, tenho certeza que você irá concordar comigo.

Pois bem, para mim os pontos mais difíceis para qualquer empreendedor e ao mesmo tempo os mais importantes, são:

  • Liderança;
  • Sintonia.

Coloquei como dois tópicos, mas um está diretamente relacionado ao outro, vou aprofundar um pouco mais nas próximas linhas, vamos lá.

Como disse, fazer dinheiro é mais difícil que ganhar dinheiro, pois pra mim quem ganha dinheiro é o cara que vai lá todos os dias e bate o seu ponto, executando funções pré-definidas, lembrando não existe demérito algum nisso, pois um empreendedor precisa de ótimos profissionais ao seu lado para ajudar a executar suas loucuras.

Engana-se aquele que pensar ser melhor que o outro, é só uma questão de ordem, todos são fundamentais no ecossistema, empreendedor, funcionários e investidores, quando digo uma questão de ordem, quero dizer que simplesmente não existiria emprego sem o empreendedor, por tanto o empreendedor é aquele que dá o pontapé inicial e só ele é capaz de levar a empresa até o ponto que mencionei ser fácil.

A complexidade fica cada vez maior quanto mais as pessoas acreditam em seu projeto, pois isso resultará em um número maior de clientes, mais contratações, e mais captações de investimentos.

Com todo esse cenário a liderança se torna essencial e é nesse ponto que vários empreendedores patinam, pois não são capazes de transferir suas antigas responsabilidades para as novas pessoas envolvidas.

Quando tentam transferir querem que essas pessoas executem de sua forma e travam o processo, pois os novos colaboradores não se sentem a vontade em desenvolver suas atividades de forma plena, pois muitas vezes conseguem chegar no mesmo resultado usando metodologias mais eficientes.

As coisas pioram quando os colaboradores desenvolvem suas funções sob a falsa dialética onde todos podem desenvolver suas ações da melhor forma possível e o que importa são os resultados, mas quando erram no meio do processo recebem críticas severas o que pode acarretar em um bloqueio criativo.

Além disso se o CEO não conseguir fazer com que cada um saiba a sua importância no meio do processo, os prazos de entrega não serão cumpridos, faltas em reuniões serão contínuas, enfim o CEO deve de forma orgânica conseguir dar um norte ao projeto e fazer com que todos trabalhem em sintonia.

Deve ser o cara que dá o exemplo, que dá o sangue, que vira a noite quando necessário, que desmarca compromissos desnecessários quando os horários da agenda pessoal entram em conflito com o da empresa, ultimamente fico até na dúvida se desculpa com a saúde é motivo de desmarcar algo, pois ao saber da história do fundador do Grupo Europa, Dácio Múcio de Souza, onde ele mesmo enfermo, em um hospital no final de sua vida, agendava reuniões e deixava as enfermeiras e médicos com os cabelos em pé, são nessas ações que você começa a perceber o sentido real da palavra obstinação.

O CEO deve ser capaz de definir ações em conjunto com seu time, mas ao mesmo tempo deve estar maduro para tomar as decisões mais difíceis, ainda é comum ver muitos CEO’s envolvendo o time todo para qualquer decisão, pois não se sentem seguros em assumir a bucha, o time deve estar focado na execução e é papel do CEO resolver todos os problemas para que o time execute suas atividades sem ser incomodado e além disso ser capaz de cumprir compromissos ligados ao futuro da empresa cuidando de toda estratégia.

Pessoas ao redor imaginam que o CEO senta em uma mesa e só tomam decisões e que isso é fácil, mas devemos saber que essas decisões não são tomadas ao acaso, são baseadas em horas de reuniões com parceiros, investidores, clientes e reuniões com potencias clientes, a responsabilidade é grande amiguinho, pois se ele errar o futuro da empresa pode estar comprometido e pior que ver um projeto quebrar é ver os colaboradores perderem o seu porto seguro, sua fonte de renda, pois sabemos que nem todos possuem o perfil empreendedor se adaptando facilmente as adversidades, o luto é grande e muitas vezes pode gerar rancor por parte dos colaboradores e acionistas.

A Sintonia é o outro ponto que está diretamente ligado a liderança, saber como desenvolve-la em cada ator dentro da empresa é um grande desafio, pois é necessário feedbacks constantes e um feeling apurado para perceber quando as coisas não estão indo bem.

Algumas divergências entre o time podem colocar essa sintonia em check e é papel do CEO saber como contornar todos os eventuais problemas, ele é o grande maestro e deve agir como tal, deve estar atento o tempo todo com quem possa estar fora de compasso e saber extrair o melhor dessa pessoa para que ela encontre motivação e continue contribuindo da melhor forma.

Você que já empreende e que já fracassou, sei que você é capaz de ter uma ideia, tira-la do papel, conseguir clientes iniciais e fazer dinheiro para manter seus projeto, mas saiba que para você escalar e realmente causar impacto gerando um grande número de oportunidades de renda vai depender desses dois pontos, Liderança e sintonia.

Esses são os pontos mais difíceis, pois são vários os ruídos que podem interferir nessa dinâmica. Enfim, caro companheiro, espero ter abordado o tema de forma a colaborar um pouco mais com a sua Cultura Empreendedora.

:: Não deixe de curtir nossa fanpage, nos acompanhe!

1 thought on “Liderança e sintonia, a gente não vê por aí!”

  1. Ótimo artigo Wagner. Realmente, o que vejo nos dias de hoje, além da falta de sinergia entre atividades, funções e alinhamento de cada um dentro de um ambiente colaborativo, é a falta de líderes. Líderes que não só forneçam um ambiente de trabalho adequado, mas que tomem a frente e segurem a bucha nos momentos certos, trabalhando com transparência e sempre alinhando as expectativas. No caso daqueles que se orientam por resultados, dando maior autonomia aos funcionários para executarem suas atividades com o intuito de aumentar ao máximo a sua capacidade produtiva, sempre com responsabilidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *